Relator da Reforma Trabalhista Rogério sai em defesa de Temer e Aécio

30 de maio de 2017 | _


O deputado federal Rogério Marinho se manifestou, por meio de nota encaminhada à imprensa, a respeito das acusações de executivos da JBS contra o presidente Michel Temer (PMDB) e o senador afastado Aécio Neves, presidente nacional licenciado da legenda à qual o potiguar é filiado – o PSDB.

Marinho afirma que as denúncias devem ser apuradas “com todo o rigor da lei e dentro dos limites civilizatórios do Estado de Direito”. “A Nação não pode transigir com corrupção, desonestidade e improbidade. O caminho para um bom termo é o da responsabilização de todos que forem efetivamente culpados”, declarou o tucano.

A respeito das denúncias que envolvem o senador Aécio, o deputado pontuou que “o PSDB necessita ter coragem e cortar na própria carne”. “É preciso ampla apuração de tudo o que ocorreu para que o partido possa se reapresentar ao eleitorado brasileiro sob o manto de padrões éticos rigorosos”, destacou.

Ainda de acordo com o deputado potiguar, o presidente Temer deve ser afastado do cargo se as denúncias contra ele forem confirmadas. “Se os fatos apurados demonstrarem que houve prevaricação ou corrupção por parte do presidente da República, deve-se observar o rito constitucional para a sua substituição”, diz Rogério.

Segundo o tucano, que foi o relator da proposta de reforma trabalhista na Câmara dos Deputados, é preciso “enfrentar as adversidades e a fúria de uma oposição que não se conformou em perder o poder”. “Os métodos petistas e de seus tentáculos foram expostos. A mentira e o terrorismo foram postos em prática por facções esquerdistas da CUT, Força Sindical, do PT e parceiros, do MST, MSTS e outros. Ficou absolutamente clara a necessidade urgente de findar com a obrigatoriedade do imposto sindical, constante na reforma trabalhista”, colocou, em alusão às manifestações contra as reformas organizadas por centrais sindicais nesta quarta-feira 24 em Brasília.